Foi bom? Foi morno

Depois de cada um dos dois presentes na final terem jogado 21 vezes, o que mais valeu, de fato, foram as últimas duas vezes que cada um duelou. Em preciso, a última. O Santos venceu o São Paulo e o Corinthians, em jogo movimentado mas de baixo nível técnico, derrotou o Palmeiras nos pênaltis.

E para aqueles que pensam que a final é o jogo de maior nível técnico, se engana. É um dos jogos mais travados. O Santos jogou muito na semifinal contra o São Paulo. Ganso foi meia-que-Muricy-pediu-a-Deus. Isso finaliza o assunto. A respeito do Corinthians, contra o Palmeiras, ficou devendo…

Mas enfim. Chegamos à decisão, tão esperada. Santos e Corinthians. Os últimos dois campeões paulistas, na respectiva ordem: Santos no ano passado e Corinthians em 2009.
No jogo em si, todos sabíamos que o Santos era superior tecnicamente. Nada que organização faça o que deve fazer. O Corinthians, ontem, jogou bem. Se organizou e fez um melhor primeiro tempo, com mais volume. Mesmo com Neymar finalizando na trave após boa jogada, a equipe alvinegra paulista não jogou mal.
Em um esquema que se caracterizava em um 4-3-3 em parte do jogo, o Corinthians conseguia ter mais a bola. O problema era finalizar.

O jogo corintiano poderia ser dado como 4-3-3 ou até mesmo como 4-2-3-1. Em vezes, até como 4-4-2, com efetividade tática de Jorge Henrique no meio-de-campo da equipe alvinegra. Liédson, em momentos, voltava para buscar jogo e atuar no lado esquerdo de seu ataque. Talvez tenha sido reflexo de poucos oportunidades que teve na primeira etapa. A bola não chegou e Liédson não teve a finalização, o seu forte. No lado do Santos, as coisas se resumiam a um 4-4-2. Houveram horas em que Ganso se posicionou ao lado direito, e a equipe parecia atuar em um 4-3-3. Neymar, indo da ponta esquerda para dentro tentava abrir espaços. Ele não apareceu muito nos primeiros 10, 15 minutos de jogo. Depois, porém, disso para a segunda etapa, ele jogou o que podia e ainda mais um pouco. Fez um bom jogo.
O que, talvez o corintiano devesse temer, seria a atuação de Wallace. Tomou um amarelo e depois não apareceu muito. Que me lembro, apoiou uma vez na lateral e foi só. Não pode se esperar muito de um zagueiro-lateral. Mas, no agregado, fez um de médio para bom jogo.
Ganso foi o problema. Jogou muito pouco para um cara de seu potencial. E a marcação nele nem era tão individual como por exemplo, era com Bruno César. Adriano, mesmo não estando em todos os lugares, “batia” com ele no posicionamento tático. Ainda com isso, Bruno César teve “A” chance do Corinthians no primeiro tempo.

No segundo tempo o jogo se contém ao que se deve falar de Neymar. Após um jogo abaixo do normal de Ganso que, nos meados finais da primeira etapa, se lesionou, Neymar começou a circular livremente no segundo tempo nas costas dos volantes. Ralf ficava com Alan Patrick e Paulinho tinha, a frente, o segundo volante santista, Danilo. Neymar jogava como queria. Do lado de Wallace, onde criou a melhor chance do Santos no segundo tempo. Acertou a bola no travessão. Foram três minutos que o Santos jogou muito: o 9, o 10 e o 11. Pois aos 9, Danilo encobriu Júlio César. E ainda aos dez, Neymar chutou no mesmo defensor da meta corintiana que matou os 30 milhões do coração.
Em teoria, Elano teria que aparecer mais, para dar aquele passe decisivo. Foi algo que aconteceu na bela sequência de três minutos santista. E foi isso.
No Corinthians, agora a equipe se parecia mais um o 4-5-1 do início do ano. E daí? E daí nada, mesmo. Após jogo parelho na primeira etapa, o Corinthians teve duas chances concretas: a de Liédson e a de Paulinho. Tite resolveu cortar Bruno César colocando Morais e também mandou para fora Dentinho com a entrada de Willian. O mesmo Dentinho que fez mais um jogo fraco. Muito pouco para o corintiano.
Outra coisa que chamo atenção aqui: Neymar jogou como jogador completo. Conseguiu armar as jogadas, e também finalizar em chances concretas.

Se Ganso jogou pouco, Willian não fez aquele tento salvador, e Neymar não fez o gol dele, mesmo após fazer uma das partidas mais completas em termos táticos, o jogo foi bom? Foi. Mas foi um pouco morno. Depois da tríplice sequência santista, o Corinthians foi construir chance concreta no final do jogo. Faltou alguma coisa, para ambos. E isso vai além de pontaria. Talvez um lampejo de alguém para dar mais brilho ao clássico. Ficou pra Vila.

*Amanhã devo falar um pouco do Palmeiras. Depois de 6 gols, a equipe está, ou parece estar, enfim, destruída.
*São Paulo, São Paulo. Se não se cuidar, vai pro saco o sonho da conquista da Copa do Brasil. Avaí é organizado. Por via das dúvidas, creio em empate. Mas vai ter que jogar mais.

Siga-me no twitter: felipesaturno

Por: Felipe Saturnino

About these ads

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: