Liberta e Paulistão são do Santos; e os paulistanos?

O Santos é bicampeão paulista. Ou é dezenove vezes campeão. De qualquer maneira, o Santos venceu de forma merecida o Corinthians de Tite, esse que jogava com extrema apatia.
Mas com exceção feita ao Santos, que antes era dado por mim mesmo como um time ainda não-pronto, quais outros times do estado de SP são compatíveis com o caráter de campeão de algum torneio neste momento?
Pois é, nenhum. De sólido, é fato, só há o Santos. E de quebra, o time do litoral não é paulistano. É paulista.

Difícil o que acontece nos times paulistanos. Fazer de tudo para justificar taticamente é a resposta. Porém, no caso do São Paulo, é clara a crise interna que o clube vive. E isso, coincidência ou não, acontece desde o momento em que Juvenal corrompeu o Estatuto Oficial da equipe. E desde então, a equipe vem sendo rotulada merecidamente com a etiqueta de “não-confiável”. Venceu o Corinthians, em uma das melhores atuações de seus zagueiros e perdeu para o Avaí, em jogo que tinha a absoluta vantagem na mão. Pois é, perdeu a vaga na Copa do Brasil. Talvez seja o reflexo da “desorganização” que ocorre quando falamos da parte administrativa. Também há a crise de Carpegiani com seus comandados. Ou nem tão comandados assim. Nem a pau, Juvenal!

O Palmeiras é um caso diferente. Pelo menos parece ser. O objetivo aqui é arrumar justificativas táticas. Com o São Paulo, por exemplo, posso citar as falhas que vêm se tornando frequentes dos zagueiros são-paulinos. Melhor, as falhas de Alex Silva. E tem jogado pouco mesmo. Talvez o nome tenha chegado até a cabeça e o confundiu. Fato é que o conjunto não consegue funcionar quando um jogador falha tanto. E além dele, o meio-de-campo da equipe também foi engolido pelo Avaí. Mas, vamos mudar de muro. No CT palmeirense, o caso parece ser consistentemente tático. Perder de 6 a 0 não é muito caso de falha psicológica. Pode ter se tornado após levar o quarto ou o quinto. Mas enquanto há a igualdade, nula é a vantagem. Talvez a falta evidente de um articulador seja o centro do problema. E o que chama a atenção também foram os erros de marcação de volantes no Palmeiras. O que, em teoria, é o que um volante deve fazer. Pois os volantes não fizeram. Massacre curitibano. Merecido. E também, outra coisa: há mal-estar no clube. De dirigente a técnico. Vida difícil.

Talvez o Corinthians seja o time que tenha chegado mais perto. Mas passou longe de jogar bem. Com muita apatia e pouca criatividade, a equipe corintiana venceu o Oeste, o Palmeiras – jogo que, de fato, não conseguiu inibir as ações do adversário atuando com um homem a menos – e perdeu na volta contra o Santos. Pois na ida havia jogado bem. Empatou, e faltou pontaria. Mas o articulador e no mínimo seu atacante, Liédson, jogaram bem. Aqui, adendo nas atuações de Ralf e Paulinho, que pouco jogaram na ida. Deixavam espaços, e não davam combate a Neymar no caso. Ralf ficava estático ao ficar posicionado na frente de Alan Patrick. Na volta, do lado santista, o diferencial foi Arouca. Se Danilo não aparecia bem a frente, Arouca fez o que fez. E o Corinthians sabe que tem que mudar. Assim como Palmeiras e São Paulo, que parecem possuir casos transcendentes do campo de futebol. Ainda no alvinegro paulista ou paulistano, como pontos fracos temos os poucos combates de Paulinho e Ralf que inibem uma posição mais avançada de Alessandro e Fábio Santos. Porém, também há apatia dos mesmos laterais que apoiam deficitariamente.

No final puro e bruto, os paulistanos se saíram mal no primeiro semestre. Para Palmeiras e São Paulo, há a Cop Sul-Americana que agora dá vaga na Liberta e o Brasileirão. Mas desse jeito, os times não vão se sair bem. Ao Corinthians, a preocupação única e ânsia de ir ao torneio de maior importância na América do Sul. Enfim, agora só resta metade do bolo para os três paulistanos. Ao time do litoral, méritos à Muricy que deu tom ao padrão tático de 4-4-2, com Alan Patrick como meia articulador centralizado agora. E ainda, exaltações ao jovem Neymar, mais brilhante e completo que nunca. O diferencial, além dos dois, é o conjunto que joga bem. Maior comprometimento, com ou sem a bola, rege as regras no Santos de Muriçoca. Quarta tem mais uma decisão, de Peixe ao molho das Onze Caldas.
Não é consenso que o Santos vá ser campeão, mas agora a Libertadores é de Neymar. É do Santos. Que Muricy, Neymar, Elano e cia. saiam vitorisos. Desde que façam com competência e com disciplina. E, de fato, é o que tem acontecido.

Trio de ferro em chamas - agora só restam Brasileirão e Sul-Americana aos "paulistanos"

Siga-me no twitter: felipesaturno

Por: Felipe Saturnino

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: