A hora de Cristiano

Em muitas ocasiões, forças diversas e bem possivelmente – ou quase inteiramente – imperceptíveis realizam esforços para conspirar um resultado que favoreça o que nos é universal, isto é, o que nos é comum.

O resultado, partindo duma premissa que é fundamental, deveria ser óbvio. Os esforços para realizá-lo não são.

O universal, o que é trivial, comum e normal é considerar a obviedade como natureza – o necessário, que existe diante de qualquer situação -, o que não é menos nada que o ÓBVIO.

Quando Cristiano Ronaldo joga pela seleção portuguesa, não esperamos o seu óbvio.

Quando o mesmo joga pelo Madrid, sim, esperamos o seu óbvio.

Porém, pela primeira vez em algum tempo – e quanto tempo – Cristiano fugiu do que não é óbvio na seleção portuguesa, do que não o faz ser essa obviedade na seleção. Méritos dele. Decerto, esperávamos que isso acontecesse alguma vez, nem que até mesmo ocorresse por uma única; se fosse, que fosse em momentos decisivos.

Nos últimos anos, acompanhamos a magistral canhota de Messi desfilar a elegância, classe e plasticidade das jogadas dotadas de habilidade e competência tremendas nos campos, especialmente – e não somente – com o Barcelona. O óbvio, por outro lado, era a percepção que, por mais que não fosse óbvia a capacidade do mesmo desempenhar o mesmo nível que desempenha no Barça na seleção argentina, um tempo ou outro, isso iria ocorrer. Nem que fosse brevemente, num lampejo isolado; num momento sucinto.

A hora de Cristiano Ronaldo para exercer sua função não óbvia mas que é esperada há muito em Portugal parece ter desembarcado do abstracionismo e entrado na via de concretização. Contemporâneo de Messi e, no caso, análogo ao argentino, Cristiano não é tão bom aos lusos quanto é aos de Madri, porém, é diferente – assim como Messi – dos outros; é esta força que nos impede de pensar num fracasso total e definitivo de sua carreira como jogador da seleção lusitana.

Pela primeira vez, Cristiano Ronaldo vem atuando de forma mais contundente em Portugal: três tentos nos últimos dois jogos, em que dois foram marcados na última rodada da fase classificatória aos mata-matas da Eurocopa – naquela movimentada partida diante da Holanda. Ronaldo pode ter achado o ‘click’ que combina seu jogo com o da seleção, que, afinal, baseia-se inteiramente nele.

Contra a Espanha, certamente, é o absoluto máximo desempenho que os portugueses esperam, e anseiam por Ronaldo. Sua hora, que era óbvia, chegou. A hora de decidir.

O não tão óbvio, e muito provavelmente improvável é avaliar se ele, atuando bem, ainda assim pode derrotar os melhores do mundo. Mas é óbvio que pode fazê-lo.

Ronaldo – agarrando a hora da decisão

Por: Felipe Saturnino

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: