Manias de tendência

O sucesso espanhol faz-nos recordar os tempos brilhantes da seleção do canário, a nossa, que há algum tempo já não nos encanta.

Ora, o tempo é de renovação. É muito sofrida a transição, mas sempre é assim. Por mais que sejamos ‘os melhores’ – hoje em dia certamente não o somos, mas no ‘overall’ -, somos mortais. É bem verdade que já tivemos seleções que não aparentam, e de fato não são mortais – as memórias das seleções de 70 e 82, por exemplo, que não se rompem na consciência afetiva do torcedor, parecem se perpetuar nas lembranças da memória. É esse nível que os espanhóis de Del Bosque, mas que em 2008 eram de Aragonés, hoje, atingem.

A imortalidade é uma virtude. A arte de abstrair uma figura, ou, no caso mais adequado aqui, um conjunto de figuras – que juntas designam uma significativa força a um país que vive uma crise pra lá de séria – e torná-las constantes na história do esporte é algo que acontece poucas vezes e, por consequência, para poucos ‘humanos’ – mas imortais. Os espanhóis abrangeram um consenso, que em notoriedade aprova a posição da Espanha, a Fúria, como uma das maiores seleções da história do jogo.

E são eles os culpados do sentimento nostálgico que alguns de nós possui daquelas seleções brasileiras ‘memoráveis’. Ou melhor, num contexto mais adequado, a palavra fiel ao momentum seria ‘imortais’.

A tendência de aproximar os melhores aos melhores é natural. Quem dirá que, na Copa da Espanha, em 82, existira alguém mais perfeito do que o time brasileiro? É óbvio que utiliza-se, aqui, a noção plástica, clássica e romântica do futebol absoluto e absurdo praticado pelos canarinhos que padeceram a Paolo e outros tantos italianos – que, nem por falta de plasticidade, eram ruins.
A perfeição furiosa de ‘España’ é notável. Apesar de ter praticado o futebol mais vistoso somente na última partida do campeonato. Ainda assim, a qualidade chama a atenção e, sim, encanta. Encanta por ser monótono. Mas unidimensionalmente interessante e, quase sempre, fantástico.

A nostalgia aproxima. Mas, de fato, o futebol espanhol, mais especificamente a seleção espanhola e o Barcelona, aproximam-se e distanciam-se dos outros. Praticam um futebol baseado claramente no tiki-taka, pressing, conservação da bola, aproximação e disciplina para cobrimento de espaços no campo, infiltrações e etc. Mesmo que o esquema espanhol seja a moda mais do que recomendada do 4-2-3-1.

A influência de Michels e Cruyff é notável na vida do Barcelona. O técnico que foi da KNVB com aquele esquadrão também imortal dirigiu o time blaugrana e levou esses segmentos para lá. Johan, algum tempo depois, herdou um legado que deveria continuar.

O caso do Barcelona é excepcional. O time constroi seu futebol através de uma filosofia que progride continuamente e, como vimos na temporada passada, tardou a modificar-se durantes diversos jogos. Mas, decerto, são mudanças circunstanciais. A transição do 4-3-3 pro 3-4-3 é uma que pode – e deve – continuar, porém.

A mania de assimilar o futebol brasileiro com o espanhol é um caso de nostalgia. Simples assim. E é claro que é justo. Mas vale lembrar que a derivação do futebol espanhol, hoje, surgiu através de uma série de ligações com influências neerlandesas, fundamentalmente, que fizeram fluir o trabalho barcelonista que domina na seleção espanhola – apesar do sistema de Del Bosque ser um 4-2-3-1, que em horas torna-se um 4-3-3, as características técnicas são por total azulgranas.

O Brasil parece-se com a Espanha – na verdade, o inverso transforma-se no melhor para a sentença -, mas é um jeito derivado de outros estilos ímpares de se jogar futebol. Essa mania de preservar a posse, a bola, de pressionar, mas sem pressa, torna a admiração ainda mais compreensível. No entanto, num tempo em que a admiração vai virar constância com a imortalidade de Xavi, Iniesta, Xabi Alonso, Casillas e outros mais na nossa consciência, é dever saudar os holandeses que inspiram, principalmente mas não unicamente, esse futebol – os canários também devem ser muito admirados entre os ‘furiosos’.

Resta, apenas, absorver as imagens da seleção espanhola e torná-las eternas na consciência. Sem manias, nem tendências.

Espanhóis festejam o tri da Euro e já tem lugar de imortalidade

Por: Felipe Saturnino

One Comment to “Manias de tendência”

  1. O modo de jogar da Espanha, super eficiente nos últimos 4 anos, não é a única forma de ganhar um jogo ou mesmo um campeonato, vide Chelsea ou Corinthians. Mas é inquestionável que funciona e seja repetido justamente por isso, belezas, repetições mecânicas e chatices à parte.
    Talvez a crise econômica torne essa seleção mais reverenciada do que somente pelas taças que levanta, como também tem sido Fernando Alonso em seus notáveis desempenhos na atual temporada de Fórmula 1…
    Abraço!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: