Archive for setembro, 2012

14/09/2012

Ironia

As novelas de Ganso e Palmeiras, que possuem tom de suspense e drama, respectivamente, chamam muito a atenção pelo que já sabemos que representam. PH (ainda) é tido como um dos melhores meias de seu tempo, apesar de há algum não jogar nem próximo do que é considerado razoável. Ganso tornou-se um ilustre coadjuvante no decorrer de seu tempo como santista, e fica no plano secundário, atualmente. Neymar é o absoluto protagonista.

E o Palmeiras todos sabem do que se trata.

O irônico não é aquilo sobre Paulo Henrique, e nem isso sobre o possível – quem sabe até mesmo provável – rebaixamento palmeirense. É mais a respeito da polêmica que Cristiano Ronaldo conseguiu criar no meio madridista – que apesar da ótima conquista sobre os barcelonistas pela Supercopa da Espanha, não vem bem no campeonato nacional – em que se fez dito estar triste no segundo melhor time do mundo. E não é ironia o craque português, com todos seus atributos – e tributos (vide impostos) -, estar infeliz no Real?

Ronaldo recebe milhões de euros por temporada, faz milhares de gols por ano, e não é o melhor do mundo por um detalhe, somente um detalhe: Messi. O melhor europeu, ao menos para UEFA, porém, é Andrés Iniesta – outro blaugrana. O 7 merengue sofre – por alguma razão inexplicável, indetectável e, assim, inquestionável por sua existência – e com isso aparentemente mordendo o âmago absoluto, internamente, ele expõe, explicita o problema; ou a (muita) vaidade é tanta para tornar qualquer coisa uma grande coisa?

O conterrâneo Zé Mourinho já adorou a ideia de tê-lo triste e jogando bem assim, como quase sempre Cristiano faz. De fato, ele acha que está de excelente tamanho, Ronaldo, triste como se caracteriza, jogar tanto quanto joga. O avante português, que no Real serve como um saudoso ponta-esquerda – que é o que um 4-2-3-1 atribui a posição do setor de Cristiano -, não está de saída de Madri. Não é o que parece pela situação atual – apesar de existirem rumores de um pedido por sua parte.

Ronaldo pode estar muito bem milongando por algo bem menos prezável e aceitável. E certamente Mou sabe do que se trata. E se foi com ele mesmo, ele parece tentar fazer pouco caso do grande caso. Ácido, Mourinho deu de ombros para o que Cristiano sente atualmente. Mais que qualquer um, ele já adere aos problemas de relacionamento com Kaká – como o El País pôde notificar há algum tempo -, e agora mais essa questão com seu maior jogador pode ser tudo, menos uma boa coisa. E, melhor que qualquer um, ele sabe o quanto isso pode prejudicar o andamento do bom mas ainda incompleto trabalho no Real.

Incompleto pela óbvia falta da Liga dos Campeões, tão sonhada por ele, pelo clube e, claro, pelo dono da história toda que motivou a polêmica toda, Cristiano Ronaldo. Pois, quiçá, isso lhe dê a Bola de Ouro da FIFA – numa hipótese completamente válida, apesar de um tanto quanto distante pelo que o argentino Leo joga. Na última temporada, eles chegaram perto após a semifinal do Bernabeu com o Bayern – e CR7 saiu bem da Champions, batendo aquele penal premiado por Neuer.

Ironias deixadas de lado – e em ironias quero deixar fora desse conjunto repleto de subconjuntos, especificamente, a possibilidade de Ronaldo ser melhor do mundo pela segunda vez, desbancando Messi pelo menos mais uma vez -, o que o melhor português do mundo clarifica na situação é mais uma insatisfação, por algo ainda inexplicável, mais ainda incompreensível – como tal consequência -, porém, ainda assim, inquestionável, pelo que sabemos que não é.

Mas, pela figura arrogante, às vezes desprezível, ainda assim, apreciável pelo futebol apresentado em todos seus anos – e também por toda essa personalidade não muito gostável em momentos -, notamos que Cristiano pode estar fazendo muito caso do que não é relativamente um grande caso.

Sim, até Mou o ironizou.

Cristiano Ronaldo não sendo polêmico? Aí está uma ironia. Talvez até mesmo um paradoxo. Ou falta de redundância.

Cristiano – triste?

Por: Felipe Saturnino

Anúncios
08/09/2012

Pipocas?

A sensação que Neymar deve ter sentido em campo hoje, na vitória tupiniquim sobre os sul-africanos, foi certamente uma das mais desagradáveis de sua curta e promissora carreira como futebolista. O que Mano sentiu lhe é mais próximo e comum. Até mesmo mais sensato e compreensível.

À torcida brasileira – paulista (paulistana) -, vaiar o técnico ex-Grêmio e Corinthians é algo mais óbvio. Os problemas todos, sejam de vertentes táticas ou técnicas na seleção, decorrem ou pressupõe-se que decorrem partindo da natureza do treinador. Mano, que mantém a sistemática do 4-2-3-1 desde o seu início na seleção em agosto de 2010, naquele amistoso diante dos EUA, pouco tentou modificar a natureza tática do esquema; uma mudança significativa foi na característica do miolo de meio-de-campo: na Copa América, deixou a versatilidade e agilidade de Leiva e Ramires para, um ano depois, nos Jogos Olímpicos, usar um sistema menos técnico, mais sólido e pragmático nesse mesmo setor, mas agora com os volantes Rômulo e Sandro.

A liga que Mano ainda não deu na seleção, hoje, porém, está posta numa perspectiva menos plena por motivos óbvios, de importância ainda mensurável mas muito grande.

Em uma coletiva morna, sem sal, como é de seu feitio, Menezes abriu a caixa de argumentações duvidosas e, de certo modo, pífias: quando perguntado sobre o porquê da escolha de substituição de Neymar em instantes finais do entrave diante da África do Sul, no Morumbi, ele pautou de forma enfática o aspecto da condição física da joia do futebol brasileiro.

E Neymar deixou o jogo aos 44 do segundo tempo.

O resultado de vitória brasileira – que teve Oscar na meia principal novamente – foi decepcionante pelo que foi e o que não foi, e não somente pelo que não foi. Foi ruim. Espetacularmente ruim. E poderia ter sido bom. Ainda que tenha sido contra uma seleção ultra coadjuvante no cenário continental. Pois foi o que ocorreu.

Hulk, o herói de MM, marcou nos dois últimos jogos com a seleção, ambos em momentos críticos; o primeiro tento, contra o México em Wembley, é algo diferente deste aqui: enquanto aquele dava um ar de redenção a Mano por alguns segundos e “mantinha” viva a esperança do ouro inédito, este aqui representa a salvação do absoluto abismo cósmico em que ele continua a tentar se jogar.

As pipocas amarelas, que não referem-se a todos os jogadores, não são verdadeiras; são frustrações dos torcedores, e provém da mais alta qualidade. Neymar, o pipoqueiro do dia, foi cutucado por um Mano muito controverso nas declarações do pós-jogo, e também pela torcida colorida em verde e amarelo que o vaiou. Como dizia um desses por aí, as vaias são os aplausos de quem não gostou.

Neymar, se não é pipoca – muito longe disso -, é o líder técnico da seleção no road de Mano Menezes. O caminho é mudar. Mudar o sistema, os objetos do sistema, e mudar também o local do jogo. Por isso o escolhido da vez da CBF é o Recife.

E a Mano: credenciar Neymar às vaias é injusto, mas não deve ser tanta pressão comparado ao que ele já sentiu. Neymar não pipoca. O problema é menos simples e mais amplo. É a seleção que MM não consegue dar jeito.

É o sufoco no Morumbi.
É a pressão do país que é sede do Mundial.
É o técnico que cutuca o ídolo teen.
É o time que nos faz pensar em Dunga.

É a pipoca que estoura; a situação é crítica.

Por: Felipe Saturnino