Archive for ‘Campeonato Italiano’

09/01/2012

Por que o Milan vence mas não empolga?

Há tempos o Milan não empolga. O primeiro semestre da temporada, apesar de uma boa Champions e a liderança do Calcio, foi um pouco que sonolento do time rossonero.

O losango de meio-de-campo do Milan no domingo de hoje: mudanças entre Boateng e Emanuelson e vitória por 2 a 0

O que explica a ‘preguiça’ do time é a eficiência. Exato.

A equipe consegue vencer e mantém um desenho tático com consistência. Utiliza sempre do 4-3-1-2, mudando o trequartista, jogador mais fundamental do esquema, o ‘1’ do esquema. Com esta mudança, pode-se mudar também os ‘carrileros’, os volantes periféricos que suportam o criador da equipe. Assim, o Milan faz dos jogos suas vitórias.

O que casou bem foi o misto de características do jogadores: Prince Boateng é uma joia. Muito disposto a jogar, com recursos e um bom arsenal de jogo. Pode ser ‘carrilero’ ou trequartista.
Emanuelson é canhoto, e pode ser jogador de lado ou o próprio trequartista. É bom jogador, mas não alia sua técnica ofensiva à rigidez defensiva, o que pode resultar numa perda do Milan em vantagem numérica no campo – no caso de Emanuelson tentar neutralizar um adversário marcando-o por seu setor.
Robinho é o cara do drible diferenciado que pode ser seguido de uma jogada brilhante ou um fiasco. Pode ser trequartista, mas entrou hoje como atacante ao lado de Ibrahimovic.

E estes são exemplos apenas para o trequartista. Mas o que tem que não empolga no Milan?

A rigidez. O time não tem o atrativo de outros e aquele jogador em fase primorosa que destroi os adversários. Mas, fundamentalmente, obter um meio-de-campo forte e uma transição ofensiva de qualidade é possível. Nisto, Massimo Alegri foi mais do que feliz ao ditar o Milan no 4-3-1-2. E a vitória contra a Atalanta foi um exemplo disso: 2 a 0 incontestável, mas sem empolgar.

Agora, no período pré-dérbi, é importante avaliar a situação para o uso do trequartista: sem Prince Boateng – já que estará na Copa Africana de Nações -, Aquilani pode entrar como ‘carrilero’. Com Emanuelson, a equipe pode perder um pouco da rigidez num ponto mais alto do campo, apesar do holandês ser um bom meia. Com Robinho, o drible e variação de jogo predomina.

Mais do que tudo, Allegri deve pensar em como parar a Internazionale vinda de 5 vitórias consecutivas e após um 4 a 0 diante o Parma em Giuseppe Meazza. Talvez seja o jogo para o Milan empolgar.

Com Emanuelson ou Robinho na posição de trequartista, o Milan terá mais força dos carrileros com Nocerino pela esquerda

Por: Felipe Saturnino

Anúncios
21/09/2011

A Juventus de Conte: Pirlo ‘pensatore’

A Juventus, após uma temporada sem brilho no Calcio, voltou a ser “interessante” no cenário nacional.

A nova Juventus: 4-2-3-1 com Pirlo na função "cerebral"; Krasic e Pepe abertos, com Del Piero atuando atrás de Vucinic

A contratação de Antonio Conte foi oficializada em maio deste ano. O técnico foi jogador da Juventus, e ídolo, também. Atuou de 1992 até 2004, era meia.
Na temporada atual, os juventinos não entraram como favoritos a vencerem o campeonato italiano, mas, sim, possuem um time muito competitivo e promissor.

Como se vê na figura acima, Conte opta por um 4-2-3-1, com Del Piero atuando por dentro, exercendo a função de meia central. Krasic é o meia mais aberto, assim como Pepe, no lado canhoto do campo. Ambos recompõem e participam das jogadas ofensivas, impondo um ritmo acelerado. Vucinic é o centroavante.

Porém, como todos sabem, Del Piero nunca foi meia articulador. Sempre foi atacante – dos bons, aliás. Ídolo do time de Turim, o avante é técnico, e foi grande jogador no seu auge. Mesmo assim, a função de ‘armador‘ não pertence a ele.

Andrea Pirlo, ex-Milan, é o pensador na Juve. Mesmo não jogando por dentro, mas sim, atuando como um segundo volante, mais periférico no campo. Marchisio é mais fixo – mesmo assim, qualifica a saída. Pirlo é técnico a um nível diferenciado. O passe é refinado, o chute é diferente, o jeito que enxerga o jogo também. Mais um dos motivos que reforçam a tese da criação feita por parte dele. Mas no Milan, porém, Pirlo era mais um homem de meio-de-campo, com um tripé de volantes. Ainda com seu passe refinado, óbvio. Mas sim, tinha participação menor como “centro pensante”.

Hoje, o dono da camisa 21, que leva sua marca, Pirlo mostra que cumpre a função, mesmo não sendo tão constante em uma faixa mais alta do campo. Ele é o organizador que surge de trás, distribuindo e invertendo bolas para os “ponteiros” Krasic e Pepe, que criam espaços e impõem um ritmo mais acelerado.

A Juventus empatou com o Bologna em casa, não mais o Delle Alpi, mas sim a Juventus Arena. E a equipe de Conte não brilhou, mas parece ser promissora. Vucinic foi expulso tolamente, com uma infração totalmente desnecessária. Com um a menos, o time de Bolonha empatou, em 1 a 1, com o zagueiro Portanova.

Os visitantes, também em um 4-2-3-1, que podia sofrer desdobramento pelo posicionamento de Gastón Ramirez se juntando ao avante Acquafresca – formando um 4-4-2 -, não progrediram em campoe, a Juve, novamente, tomou conta do jogo. Pirlo, pensatore, era o organizador nato. Krasic – depois Giaccherini – e Pepe eram incisivos. Mesmo assim, o resultado permaneceu inalterado.

Mas o futuro da Juventus de Antonio Conte é interessante. Novo estádio, novo time, nova temporada. Velho e bom Pirlo.

Pirlo - pensando o jogo da Juve

Por: Felipe Saturnino

04/08/2011

Velho Mundo

O continente europeu é, com certeza, o que nós mais no aprofundamos quando estamos estudando, ainda na escola. Os acontecimentos que lá ocorreram nos influenciam muito aqui. Aliás, influenciam o mundo.

O chamado ‘Velho continente’ foi o centro da Idade Média – que se fale, os acontecimentos mais relevantes desse período ocorreram lá. A decadência feudal originou o capitalismo, que já deriva de um porte maior e mais abrangente que qualquer outro já desenvolvido.
Na Idade Moderna, as Grandes Guerras – referidas mais comumente como Primeira Guerra Mundial e Segunda Guerra Mundial.

É no Velho continente, ou melhor, no Velho Mundo – sim, outra nomenclatura para o continente europeu – que também estão os campeonatos europeus, – por isso que falamos da Europa – os de maior renome no cenário mundial do futebol.

Temos a Barclays Premier League ou simplesmente Premier League, – o campeonato inglês – a Lega Calcio, – Serie A do campeonato italiano – a La Liga – o tão badalado campeonato espanhol – e o campeonato alemão, a Bundesliga.

A Bundesliga foi a última na citação acima, porém começará nesta sexta-feira, com a estreia do campeão atual do torneio, o Borussia Dortmund – veja o calendário do blog.

A Premier League começa no dia 13, daqui a dois sábados. O campeonato mais emocionante desses europeus – na minha opinião. No dia 20 de agosto temos o início de La Liga, o campeonato espanhol. É a liga de futebol mais badalada no mundo. O motivo vocês sabem, não é? Além do mais, ter um Barcelona e um Real Madrid no mesmo campeonato é algo autoexplicativo para sinônimo de badalação.
Para terminar, também tem-se o campeonato italiano. Na bota, temos os jogos começando no dia 27 de agosto.

Temos, antes da ligas nacionais, as supercopas – a da Inglaterra é domingo, e da da Itália é no sábado.

Não podemos esquecer também da Ligue 1 – liga francesa que começa no sábado – e da Liga Sagres, que se inicia no dia 14 deste mês.

Lembro ainda que temos a Champions League. Por isso, volto uma outra hora para falar da maior competição interclubes do mundo.

Por: Felipe Saturnino