Archive for ‘Estaduais’

02/05/2011

Parâmetro?

Flamengo, sem brilho, mereceu. É suficiente para o Brasileirão? Questão de parâmetro.

Para alguns, isso nem se discute. Para alguns, os fatos que ocorrem no momento não se ligam. Por isso, todos dizem que não há parâmetro de medição entre congruência para estadual e campeonato brasileiro.

Fato mesmo, é que, em lógica, não há.
Em princípio, digamos que um time não se acerte ao decorrer de um estadual. O mesmo pode, muito bem, vencer o nacional. Foi o que aconteceu com o São Paulo em 2006, 2007 e 2008. No Paulistão dos respectivos anos, em 2006 foi vice-campeão, em 2007 foi eliminado pelo São Caetano, em jogo histórico para o time do ABC, com vitória no Morumbi. No ano seguinte, falhou no jogo contra o Palmeiras na volta, após vitória 2 a 1 em casa, e derrota por 2 a 0 no Palestra Itália, no fatídico dia da confusão generalizada dos vestiários da equipe tricolor.

Pois é, vemos que não há parâmetro. O São Paulo, desde 2005, não ganha um campeonato paulista. Porém, em 5 anos, conquistou 3 brasileirões.
Isso tudo que aqui é dito pode ser imposto ao Flamengo, que conquistou seu 32º estadual, o quinto sem sofrer alguma derrota. No período da década que já se foi, o Flamengo conquistou 5 vezes o estadual – 2001, 2004, 2007, 2008, 2009 – e no Brasileirão, nos anos de 2001, ficou em 24º, num campeonato de 28 clubes; em 2004, foi 17º, já nos pontos corridos; no ano de 2007, conseguiu uma das melhores posições, com o terceiro; em 2008, 5º, e só em 2009 que ocorreu “O título da década” para o Flamengo, com a conquista do Brasileirão. Nos anos anteriores a esse, exceção feita ao de 2007, a equipe ficou em segundo plano, com times de outros Estados ganhando forma no campeonato nacional. Talvez o apreço imenso do carioca ao seu estadual seja algo que não estamos aptos a ver. Quando digo isso, me refiro ao paulista. Não digo para todos, mas para alguns que conheço e desprezam o estadual.
Não é parâmetro. O time pode florescer no meio de uma temporada, após péssimo estadual e mesmo assim, tentar algo no Brasileirão. Por muitas vezes, conseguiu. No ano que passou, o Fluminense não chegou a uma final de Carioca, sendo eliminado na Guanabara e na Taça Rio por Vasco e Botafogo, respectivamente. Foi campeão brasileiro.

Nada disso importa, porém, se você venceu. O recado é para o Flamengo, que fez, talvez, a melhor apresentação do ano contra o Horizonte de Ceará.

Pouco interessa se você venceu seu maior rival, como Santos e Corinthians.
Palmeiras e São Paulo, após ótima primeira fase, caíram com detalhes, que jogaram para o ralo os primeiros 19 jogos do Paulistão.

O jogo que posso dizer que foi emocionante, Palmeiras e Corinthians, foi travadíssimo. Expulsão palmeirense logo na primeira etapa, após entrada faltosa de Danilo, me deixa na dúvida da interpretação do juiz. O palmeirense, ao primeiro momento, me pareceu o único a entrar violentamente, mesmo que tenha tocado na bola. Isso pouco importa, já que você faz ato faltoso. A questão foi se Liédson, também não fez falta. Ainda pensante, a expulsão foi válida. A questão é se Liédson não deveria ter sido mandado para fora.
No jogo em si, Valdívia foi brincar e se lesionou. O Palmeiras, com um a menos, foi melhor que a equipe corintiana. A equipe de Scolari conseguiu se acertar no jogo com a linha de 4 jogadores e somente Kléber a frente. O Corinthians, na base da pressão, chegava, sem poder de finalização. Após o gol de Leandro Amaro, a equipe de Tite resolveu ir para cima, com Willian, Liédson e JH. Este último cruzou no escanteio para o primeiro citado fazer o tento. 1 a 1.
A vitória corintiano nos pênaltis, foi merecida, pois a equipe foi melhor na disputa de penais. No jogo duro e puro, exalto o Palmeiras que jogou bem para um time com dez.
A respeito de Felipão, o argumento usado pelo árbitro é válido também. Ele expulsou somente porque o técnico do time alviverde fez um gesto com significado de roubo. Se não fosse isso, tivera Felipão ficado no banco. Mesmo se fosse isso, estivera eu apitando o confronto, expulsaria os dois. Ambos se agrediram verbalmente, mesmo com Felipão voltando às antigas e mostando seu velho lado, Tite também deu as suas.

Felipão reclamou, xingou, gritou, e foi embora. Depois, viu seu time ficar em vantagem com um a menos, e tomar gol de Willian. Nos penais, o Corinthians foi melhor

Agora, Santos e Corinthians disputam a final. E deu chance pro Corinthians, é difícil parar. Mesmo pensando que jogando dessa forma com a displicência, sem a criatividade e sem o poder de fogo apurado o campeão se resultará em Santos pela questão Ganso-Neymar-Elano, o Corinthians pode muito bem se acertar e “surpreender” na final. Esperemos até lá.

Ao Sampa, que seus torcedores não se aborreçam. A equipe tem time e bom jogo a evoluir para o ano inteiro. Que não seja uma simples eliminação a causa da demissão de Carpegiani. E que ele também se comporte melhor e fique menos ansioso quando as decisões da temporada estejam à flor da pele. E quarta tem confronto diante do Avaí, no Morumbi. Também esperemos até lá.

Siga-me no twitter: felipesaturno

Por: Felipe Saturnino

Anúncios
11/04/2011

15 dias de futebol: o que se passou?

Depois de 15 dias de baixa, o blog volta ao trabalho normal após um período de tempo-de-não-fazer-nada. Então, para acabar com a escassez de conteúdo em 15 dias, aqui estou eu para esclarecer o que se passou no mundo do futebol em 15 dias ou 360 horas ou 21.600 minutos desde o último post de O Pitaco Boleirístico.

Na Europa

– O confronto Real Madrid e Barcelona vai acontecer… apenas não será na final da Champions League. O clássico de maior abrangência mundial nos tempos atuais vai existir nas semi da Liga dos Campeões. E o mês será bom, já que teremos três Real Madrid x Barcelona: o primeiro vai ser o de sábado, pela volta do Campeonato Espanhol (praticamente ganho pelo Barcelona). O segundo seria no dia 20, pela Copa do Rei, no Mestalla, estádio do Valencia. O outro ocorreria exatamente pela UCL, no dia 26 ou 27. O jogo da volta aconteceria em 3 ou 4 de maio. O melhor mês do ano.

– Ainda na Champions, o Madrid jogou bem, mas pouco foi exigido pelo Tottenham. Crouch foi expulso antes dos 15 da etapa inicial e a equipe do comandante Redknapp não conseguiu produzir nada com um a menos. Adebayor fez dois de cabeça, Di María fez um gol primoroso e Cristiano deixou sua marca após passe sensacional de Kaká. O Barça fez 5 a 1 jogando como Barça. Só creio que o Shakthar poderia ter dado mais trabalho, já que desperdiçou chances que grandes equipes não desperdiçariam. Essa é a diferença entre um time médio em ascensão e um time grande: os jogadores suportam distintos níveis de pressão em jogos e não perdem tantas chances do tipo. A Inter foi engolida pelo Schalke: 5 a 2 para os alemães. Aquele equilíbrio que tinha citado simplesmente não existiu. A Inter sentiu a má sequência e perdeu em casa, quase que automaticamente anulando suas chances em Gelsenkirchen. Raúl deixou sua marca – mais uma vez. Leonardo balança no cargo. E no clássico inglês, Wayne Rooney deixou o suas inicias em Stamford Bridge. A vitória do muito consistente time de Ferguson que me contrariou e derrotou o Chelsea em Londres. E Torres, fez uma ótima atuação, com 0 gols.

– Na Itália, Milan. Na Espanha, Barça. Inglaterra, Manchester. Em terras germâncias, o Borussia Dortmund. Os campeonatos estão bem encaminhados.

No Brasil

– São Paulo passou para as oitavas da Copa do Brasil, com um pouco de muito sofrimento. Ceni tem tanto crédito que jogou no lixo seu penal pessimamente arrematado contra o Santa Cruz. Tudo para, no domingo, bater com certeza e celebrar 101 gols. O Sampa parece realmente se achar, e não perde há 3 jogos.

– Corinthians e sua dependência de Liédson. E quando nada funciona. Nem Liédson, nem Willian, nem JH? Talvez, o real problema seja a chegada da equipe ao ataque e não a conclusão. Para os que temem que o problema sejam ambos, melhor ficar com Adriano e Seedorf. O último, é uma boa ou não? Analiso melhor no próximo post, que deve acontecer amanhã.

– O Flu teve um fim de semana tranquilo, dentro dos seus limites. Fez 5 a 1 no Americano e está vivo na Taça Rio. Compensa a pífia campanha na Liberta? Não. Muito pouco para um time do nível do Flu.

– E o Inter tem Falcão. Boa? Pelo histórico, pelo que representa, pelo que entende, pode até ser. Mas, Roth não poderia ter ido agora. Ou ia em dezembro ou não agora. Simplesmente não compreensível o que fizeram com Roth.

– E o Vasco vai crescendo na Colina. Gomes parece que deu açúcar ao suco azedo vascaíno, e agora está no ponto. A equipe se acertou até chegar onde está hoje, líder do seu grupo e classificado para as semifinais da Taça Rio. Parâmetro para medir o nível nacional do time? É o único que temos por hora. A hora da verdade será mês que vem, no Brasileirão. E esse será muito bom de se ver.

– E o Santos, de Muricy, ainda está em um começo de acerto. Porém, ter Ganso e Neymar, em certos momentos, pode enganar quem vê a equipe. Tem bons jogadores, mas tem que se acertar em aspectos. Diferente do Palmeiras, que se acertou defensivamente, e isso faz com que seja a vertente de seu jogo. É o time mais pronto do Paulistão, junto com o São Paulo. Porém, torcedor, não se engane. Estar pronto não faz do time melhor ou pior. O padrão momentâneo da equipe, porém, favorece o jogo de um time entrosado. Santos e Corinthians têm elenco suficiente para ganhar um Paulistão, apenas têm que acertar alguns aspectos do seu jogo.

Siga-me no twitter: felipesaturno

Por: Felipe Saturnino

27/03/2011

100º de Ceni, tabu e a rivalidade: clássico de hoje tem tempero

No Majetoso de hoje teremos mais do que apenas um clássico entre os dois melhores paulistas atualmente no estadual. Hoje teremos um jogo cheio de tempero, o que pode – e deve – representar promessa de um ótimo jogo.

O centésimo gol de Rogério Ceni com a camisa são-paulina é um dos temperos do jogo. E você, são-paulino, já pensou em ter seu ídolo marcando seu gol 100 no maior rival? E você corintiano, já pensou em ser lembrado pelos são-paulinos por terem levado o 100º gol de Ceni?
Na verdade, pouco isso importa se o Corinthians ganhar.
E ainda tem o tabu. Há 4 anos o Corinthians não perde do São Paulo. O tabu anterior havia sido do São Paulo, de 2003 à 2007.

Além de tudo isso, tem a óbvia rivalidade e a competição. Vai ser um bom jogo.

O São Paulo não terá Lucas, uma perda de muita falta para os são-paulinos. Porém, pode ter Rivaldo, que pode mudar o meio-de-campo e cadenciar o jogo. O que hoje caracteriza o jogo do São Paulo é essa velocidade que integra o jogo em geral. É um ponto a se destacar.
O Corinthians vem forte e tem Liédson. É um time mais “pesado” que o Sampa, é um time de mais marcação, porém vem embalado.

Com tudo isso, não vou palpitar. Se palpitasse iria de empate.

Enfim, vai ser um bom programa para a tarde. Não perca.

Siga-me no twitter: felipesaturno

Por: Felipe Saturnino

10/02/2011

Fora de hora

Na hora menos necessária de se jogar – não desmerecendo o Ituano e de de jeito algum o Paulistão – o Corinthians jogou na hora em que não era a mais necessária. Chegou atrasado.

Após a eliminação na Libertadores, a equipe do gaúcho Tite venceu o Ituano por exorbitantes 4 a 0. Placar que deixa os corintianos menos preocupados. Melhor. Só que jogou na hora que não era para tanto assim. O Corinthians tinha time para vencer o Tolima. Só que não conseguiu. Foi um time sem criação. Não fez um gol sequer e foi embora dando tchau com a mão fechada. E logo depois pegou o Palmeiras. E venceu. Com sorte e venceu. Com competência e venceu.

O que realmente me impressiona é o atraso para jogar bem. O Corinthians agora, só tem uma chance de levar um título no primeiro semestre: no Paulistão. Time pra isso tem. Só espero que não chegue atrasado.

Coisas que tenho que falar:

– O Corinthians tem time para vencer o Paulistão. Só que tem que se acertar e, no final das contas, é difícil vencer o Santos com Neymar, PH Ganso, Arouca e Elano jogando bem. No geral, com os times brasileiros, o Corinthians não está mais nos times de primeiro escalão, como o Fluminense e Santos, por exemplo.

Com casa vazia, Corinthians venceu e bem.

– O Fluminense empatou ontem pela primeira rodada na Liberta. O problema é empatar jogando em casa. Mesmo que seja contra um difícil Argentinos Juniors bem fechadinho. Mais uma vez, Muricy procura ganhar sua primeira Libertadores, título que não tira nada do prestígio que o tal possui.

Rafael Moura - comumente chamado de He-Man - fez dois no empate do Flu em casa em jogo difícil.

– O São Paulo é uma incógnita. É um time que se reformulou já que a geração do tricampeonato nacional já se perdeu pelo mundo. Acho, que com Lucas e Casemiro, a equipe possa dar liga. E ainda tem Rivaldo. Só que acho que é trabalho para longo prazo. Carpegiani ainda não deu um padrão tático para a equipe, e acho que não pretender definir isso tão cedo.

Mesmo com Rivaldo, São Paulo tem algumas deficiências e é uma incógnita na equação.

– Nos amistosos, Messi foi soberano sobre Cristiano, em um 2 a 1 para a Argentina, e Alemanha e Itália empataram. A Inglaterra venceu seu jogo e, como todos devem saber, o Brasil perdeu mais uma vez para os Les Bleus.

Por: Felipe Saturnino

31/01/2011

Clássico B: estadual desvalorizado

Os torneios estaduais atualmente são dignos de nível genérico. Hoje, nenhum me chama muita atenção. Mesmo com jogadores badalados – como Rivaldo, Ronaldo, Roberto, Elano, Gaúcho – o formato de disputa de alguns é um pouco cansativo.

Aliás, a desvalorização chega a um ponto de se transformar um clássico de grandes dimensões em jogo de times B. Foi o que aconteceu ontem no Uruguai, na partida entre Inter e Grêmio.

Tudo bem que um time tem decisão da Libertadores no meio de semana, mas não se poderia dar um pouco mais de relevância a um Gre-Nal de incrível nobreza como é?

É isso que me chama atenção. Os estaduais, mesmo com alguns jogos interessantes, são cansativos. São torneios de pontos corridos, com segunda fase mata-mata – como o Paulista – onde a fase de classificação tem o mesmo número de times que um torneio de caráter nacional, como o Brasileirão. Que já é muito cansativo – mesmo sendo muito emocionante. No geral, o que eu quero dizer é que, a desvalorização do torneio estadual pode chegar a um ponto que as equipes atuem jogos antigamente, de extrema dignidade e importância, com seus times Bs. Isso é o mais triste.
Poderiam fazer algo diferente com os estaduais. Mudar o sistema de disputa e tornar o torneio um pouco mais atraente. Seria interessante. Ouço muito falar do tal sistema Copa da Liga Inglesa, com os grandes entrando em fases mais avançadas, mas pode haver algo melhor.
A paixão por um campeonato que, há tempos atrás, era de uma forma o mais atraente, hoje não é mais a mesma. Os estaduais são aceitos como uma fase de pré-temporada.

Para finalizar, quem ganhou o clássico foi o Grêmio, B.

Por: Felipe Saturnino