Archive for ‘França’

10/07/2012

As crises, francesa e holandesa – que não são econômicas

Blanc se demitiu após decepcionante campanha na Euro

Os ‘bleus’ voltaram ao que tinham escapado recentemente. A crise. Não uma crise qualquer, mas a crise. Uma crise que já ocorrera pela terra do ‘champagne’, e que todos os franceses tentaram fugir. Parece que não conseguiram.

Culpa de Blanc!
Culpa de Blanc.
Culpa de Blanc?

Laurent deu padrão aos franceses que em 2010 fizeram uma campanha pífia no Mundial da África do Sul. Deu padrão, aliás, deu-lhes o modelo padrão – não, não quero fazer referência ao aparente sucesso da teoria do Modelo Padrão e nem aos físicos que possivelmente encontraram o ‘bóson de Higgs’ -, pois utilizou um 4-2-3-1 sólido. Um 4-2-3-1 que era sólido. Pois, ao que terminou seu mandato, apenas era – o passado nos é compreensível, mas nem de todo elogiável, como se poderá perceber no parágrafo que segue.
Na Euro deste ano, um descaso tremendo na primeira fase dificultou horrores a vida dos francos marcando um confronto de mata-mata diante dos espanhóis – logo eles – de Del Bosque nas quartas. Não deu outra. A vitória espanhola com doblete de Xabi Alonso simplesmente atestou o fracasso francês na 1ª fase.

A França era notoriamente uma das mais fortes ao chegar no campeonato europeu de seleções. O time que fortaleceu-se com o posicionamento de Benzema como avante, o mesmo Karim que teve uma ótima temporada no Madrid de Mou, e com Malouda e Ribéry como extremos – wingers -, Samir Nasri encarregava-se de mediar a linha segunda do meio-de-campo. O esquema era sacado, por se tratar de uma receita que as melhores seleções se utilizarem. Um 4-2-3-1, simplesmente mais do que recomendado.
Mas os de Blanc foram incompetentes. Fundamentalmente contra os suecos, naquela ocasião que foi datada por um golaço de Ibrahimovic.

Encrencados também estão os holandeses – sim, os mesmos vice-campeões mundiais em 2010. Pois nem parecem. Os ‘baixos’, neerlandeses são os que vão a uma crise em decorrência de motivos muito distintos dos dos franceses. Ali, a crise antes não existira. Existe, agora, o desgaste de Bert van Marwjik, que é natural, justo e necessário, constatando a fidelidade da regra, mesmo que seja eficaz o time de que se fala.
Bert sai por atrito, por péssimo dinamismo de seu esquadrão na Euro, e consolida uma transição, apesar de que não aparente: o pragmatismo holandês agora pode ser antipatia.
Outro colaborador notável do 4-2-3-1, Marwijk se utilizava de uma recomendação tática que explorava não apenas o ‘modismo’ do esquema, mas, principalmente, a adequação de seus jogadores ao mesmo. Robben e Kuyt encaixavam-se como wingers – um tanto quanto bem diferentes sobre os trabalhos desses dentro do campo, é bem verdade – de forma eficaz; Sneijder, o ótimo 10, que em 2010 foi um dos melhores – quem dirá o melhor – da campanha da Inter de Mou na Champions League, fluía o jogo como um centromédio de técnica magnífica. Van Persie completava a linha média e o ataque – pois, afinal, Robin era o único atacante verdadeiro daquele esquema. Pragmático, mas na Copa eliminou o Brasil, que tinha vantagem de um tento no jogo da Cidade do Cabo.

Marwjik não tinha o que fazer – aliás, tinha, pois sempre alguém tem, mas o pragmatismo, ora ou outra, sucumbe às necessidades supremas, senão a necessidade da vitória, no que os holandeses falharam em 2010 e há pouco, na Eurocopa da Polônia e da Ucrânia. O desgaste os fez falhar. Ninguém de tão unidimensional sobrevive a isso – a não ser alguém que encante, como a Espanha, ou alguém que se proponha a vencer continuamente.

Louis van Gaal e Didier Deschamps são, respectivamente, os novos técnicos das duas últimas vice-campeãs mundiais, Holanda (2010) e França (2006).

Deschamps procura enfim tomar as rédeas de um grupo de selecionados indisciplinados e displicentes, na medida do que vai se tornar possível no que avance o seu trabalho.
Louis van Gaal, que certamente não procura trazer de volta o charmoso futebol para a Holanda, como ocorreu há algum mais do que apenas pouco tempo para os dos Países Baixos, recorrerá a uma transição conservadora de estilo: o pragmatismo, que esperamos ser ainda um não-antipático pragmatismo. Tal como foi com Marwjik – apesar de que os times de van Gaal nunca terem sido exatamente uma certeza de antipatia, mas sim de disciplina.

Blanc, como levantado foi acima, não foi culpado na França; pelo menos não é o meu. Apesar de ainda não ter conseguido trazer ordem aos franceses, realizou o básico, e carregou o trabalho até quando a corda duma aparente união do grupo de jogadores rompeu-se. Aí, simplesmente pressionou o ‘botão do dane-se’ e partiu para a demissão. Mais polêmicas, porém, para Deschamps resolver.

Por: Felipe Saturnino

Anúncios
10/02/2011

Fora de hora

Na hora menos necessária de se jogar – não desmerecendo o Ituano e de de jeito algum o Paulistão – o Corinthians jogou na hora em que não era a mais necessária. Chegou atrasado.

Após a eliminação na Libertadores, a equipe do gaúcho Tite venceu o Ituano por exorbitantes 4 a 0. Placar que deixa os corintianos menos preocupados. Melhor. Só que jogou na hora que não era para tanto assim. O Corinthians tinha time para vencer o Tolima. Só que não conseguiu. Foi um time sem criação. Não fez um gol sequer e foi embora dando tchau com a mão fechada. E logo depois pegou o Palmeiras. E venceu. Com sorte e venceu. Com competência e venceu.

O que realmente me impressiona é o atraso para jogar bem. O Corinthians agora, só tem uma chance de levar um título no primeiro semestre: no Paulistão. Time pra isso tem. Só espero que não chegue atrasado.

Coisas que tenho que falar:

– O Corinthians tem time para vencer o Paulistão. Só que tem que se acertar e, no final das contas, é difícil vencer o Santos com Neymar, PH Ganso, Arouca e Elano jogando bem. No geral, com os times brasileiros, o Corinthians não está mais nos times de primeiro escalão, como o Fluminense e Santos, por exemplo.

Com casa vazia, Corinthians venceu e bem.

– O Fluminense empatou ontem pela primeira rodada na Liberta. O problema é empatar jogando em casa. Mesmo que seja contra um difícil Argentinos Juniors bem fechadinho. Mais uma vez, Muricy procura ganhar sua primeira Libertadores, título que não tira nada do prestígio que o tal possui.

Rafael Moura - comumente chamado de He-Man - fez dois no empate do Flu em casa em jogo difícil.

– O São Paulo é uma incógnita. É um time que se reformulou já que a geração do tricampeonato nacional já se perdeu pelo mundo. Acho, que com Lucas e Casemiro, a equipe possa dar liga. E ainda tem Rivaldo. Só que acho que é trabalho para longo prazo. Carpegiani ainda não deu um padrão tático para a equipe, e acho que não pretender definir isso tão cedo.

Mesmo com Rivaldo, São Paulo tem algumas deficiências e é uma incógnita na equação.

– Nos amistosos, Messi foi soberano sobre Cristiano, em um 2 a 1 para a Argentina, e Alemanha e Itália empataram. A Inglaterra venceu seu jogo e, como todos devem saber, o Brasil perdeu mais uma vez para os Les Bleus.

Por: Felipe Saturnino

09/02/2011

Au revoir: tabu prevalece no jogo do Stade France

Hoje, fizemos frente aos nossos rivais franceses, em um jogo bom. Bom por uma parte.

Após uma expulsão patética do nosso meia – do qual, mesmo parecendo que desprezo, acho um jogador muito bom – o Brasil certamente perderia o jogo. E aconteceu que perdeu. Da França, de novo.

Os franceses, é verdade, tem uma seleção mais arrumada do que aquela da última Copa. Laurent Blanc realmente deu um padrão tático aos francesinhos, que realmente levaram a peleja. Mostraram que estão mais organizados e tem uma forma de jogar.

Só que eu não posso tirar o mérito – e realmente deveria – da vitória do time bem dirigido por Blanc. Se pudesse, realmente tiraria. No mais, o que posso dizer é que o clássico se abstém até somente o primeiro tempo. Basicamente, pela expulsão do tão calmo Hernanes.

E foi interessante. Interessante ver a França contra o Brasil. O Brasil contra a França. Ver uma espécie de losango formado no meio-de-campo brasileiro com Lucas – vértice recuado – Elias pela direita, mas um pouco mais recuado, mesmo com suas eficientes subidas ao ataque, Renato Augusto mais a frente do ex-corintiano e Hernanes centralizado.
A França com um 4-2-3-1. A defesa de Rami e Méxes – dois bons zagueiros – e o lateral direito Sagna – que apoiava – e a lateral-esquerda de um nem tão bom lateral, que é mais um zagueiro, que é Abidal. O meio com os dois volantes M’Vila e Alou Diarra, e o três meias pela frente com Malouda, – pela esquerda – Gourcuff, – centralizado – e um dos nomes do jogo, Ménez. Falo isso pois Benzema viu a necessidade de jogar, e jogou o que podia. E foi o outro nome do embate. Atrapalhou demais a defesa com Thiago Silva e David Luiz. Mesmo com tudo isso, o clássico ficou com um-gostinho-de-quero-mais. E realmente, poderia ter sido, e poderíamos não nos abster tanto à análise de menos de um primeiro tempo, já que a expulsão ocorreu aos 39.

Benzema fez o gol, após uma ótima jogada do meia francês Ménez.

CONCLUSÃO: O Brasil teria dificultado mais se tivesse onze. Poderia ter até mesmo ganho, e tinha time para tal feito. Só que a expulsão boba de Hernanes simplesmente impede uma análise mais aprofundada do jogo, já que as equipes estão em condições totalmente distintas.
Todavia, não se pode desmerecer o fato de que, efetivamente, a França tem uma equipe bem organizada, que ainda tem algumas coisas a melhorar.

Só não se pode querer resultados tão rápidos assim. O Brasil passa por uma total reformulação. A era MM só tem um bocadinho de jogos. Até a Copa América, haverão mais alguns testes interessantes. E espero que o Brasil se saia melhor. Psicologicamente, principalmente.

Mas, hoje é dia dos franceses. Au revoir. Afinal, o tabu prevalece…

Por: Felipe Saturnino